quinta-feira, 20 de agosto de 2009

"Esse é tempo de partido...

... tempo de homens partidos.

Em vão percorremos volumes,
viajamos e nos colorimos.
A hora pressentida esmigalha-se em pó na rua.
Os homens pedem carne. Fogo. Sapatos.
As leis não bastam. Os lírios não nascem
da lei. Meu nome é tumulto, e escreve-se
na pedra."

(Drummond)


Esse endeusamento de figuras que tomam inciativas motivadas por mais coisas do que apenas suas "convicções e sonhos". Esse esquecimento dos milhares que têm suas convicções e sonhos, que os vêem abatidos uma porção de vezes, mas não têm um mandato no Senado e nem os holofotes da mídia pra poder desabafar. Esses que seguem em frente, com lágrimas, com sangue, com suor, que se envergonham, que sentem dor, que pensam em desistir, mas seguem. Porque esses, esses não podem se dar o luxo de perder um tempo valioso. Não podem se dar o luxo de bancar o/a messias. Não podem se dar o luxo de errar, porque têm uma história inteira - não uma parte - pra escrever.

Essa coisa toda com a Marina Silva, o que mais me incomoda é que, se ela não encontra condições políticas pra defender suas bandeiras no PT, ela vai encontrar no PV????? O hipócrita e oportunista PV? Isso sem entrar no debate político-programático, que vai ainda mais longe na mediocridade.

A justiça que a causa ambiental, mais, que a causa eco-socialista contém é inegável. Também é inegável que o capitalismo, por mais que busque incorporar parte do discurso (para esvaziá-lo, em alguma medida, e pra se atualizar sem deixar de ser ele mesmo, por outro lado) jamais vai responder à questão. Jamais - não tem como. Também, é certo que os socialistas e suas organizações, muitas vezes, não dão a esse e a outros debates a centralidade necessária para, inclusive, enfrentar o sistema. Enfrentar de forma ampliada, estratégica, enfrentar na sua plenitude.

Admiro quem não abre mão das suas convicções políticas, quem não as relativiza seja pra buscar atalhos (que não costumam existir), seja para perseguir ideais individuais. Convicções são para ser disputadas, porque, mesmo entre os nossos, nem sempre enxergaremos as coisas da mesma maneira.

Mas a Marina não vai dar mais centralidade à causa ambiental, no sentido que essa luta deve ter, filiando-se ao PV para disputar a presidência. Já vimos esse filme. Outros e outras já cometeram esse equívoco. Pra mim, respostas individuais não servem pra nada.

Todo mundo sabe o que é o PV. Ou melhor, deveria prestar atenção pra saber. Em SP, o PV é base do PSDB desde sempre. E o governo do PSDB é um grande amigo da natureza no estado?

O PV faz pose de fashion. "Nem à esquerda, nem à direita, à frente". O PV do Gabeira, que praticamente defende o turismo sexual. O PV sem programa, mas com interesses.

Não estou entre aqueles que estão solidários à senadora. Sou solidária, isso sim, a boa parte de suas idéias (e nem todas porque, no caso do feminismo, por exemplo, ela não está exatamente do mesmo lado que eu). Estaria solidária se observasse, na movimentação dela, uma forma de lutar mais e melhor por aquilo em que ela acredita. Mas, pelo que eu disse acima, não é isso que vejo...

Não têm sido dias felizes. Eu não tô feliz, nem satisfeita, nem aprovando várias coisas. Mas não sou senadora e ninguém da imprensa quer saber minha opinião. Não tomo atitudes só pra limpar minha consciência. Como eu, há muitos e muitas. Mais do que se pode imaginar, inclusive. Neste tempo de partido, de homens e mulheres partidos... não dá pra ter resposta individual. Tem que ter mais responsabilidade com a luta de séculos, com processos de décadas, com companheiros de anos. A dimensão histórica de tudo é importante. Do governo, do partido, e das nossas ações.

2 comentários:

Tici disse...

Amiga,

Estou no time das solidárias. Fico bem triste com a desistência da Marina e mais que isso, com o pequeno estrago que isso vai causar na nossa própria família.
A opção pelo PV é meio feia, mas a Marina talvez esteja mais para a social democracia do que para o socialismo revolucionário. Os partidos verdes na Europa são, em via de regras, sociais democratas. Incoerente seria ela ir para o PSOL. Até porque, o PV é base aliada do governo Lula (aliás, é base aliada de todo governo né?) e espero que a Marina ao menos fique neste campo.
beijos

Paula disse...

Concordo com você Alessandra, também não sou solidária a senadora. Faço parte de uma "família" e não trocaria meu sobrenome por nada neste mundo. Brigo, xingo, choro mas tento de todas as maneiras manter a "família" em pé. Certamente as ideias delas também se perderão neste PV brasileiro.
Paula